Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

segunda-feira, 11 de julho de 2011

ÁRIDO


Qualquer dia
Vou afogar-me nas lágrimas
Das montanhas queimadas
Do meu planeta árido

Sou árido
Como o cometa que cruza o meu céu
Sou o véu
Da cachoeira nebulosa

Sou o sangrar
Do lobo selvagem
Nas veredas
Incertas da minha vastidão

11 comentários:

  1. Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem,
    os amigos devem ser amigos para sempre,
    mesmo que não tenham nada em comum,
    somente compartilhar as mesmas recordações,
    pois boas lembranças são marcante,
    e o que é marcante nunca se esquece! Uma grande amizade
    mesmo com o passar do tempo é cultivada assim!
    Vinicius De Moraes
    Uma feliz semana aceite com carinho
    minha mensagem.
    Deus esteja sempre presente na
    vida de todos nós beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  2. Inspira mistério. Isso é muito bacana!

    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Até o árido é belo quando descrito dessa forma, em lindos versos. Você dá vida à natureza, misturando suas características à natureza humana.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Sempre profundamente belos seus poemas!Gostei demais!Bjs,

    ResponderExcluir
  5. Estou meio assim Arnoldo hoje essa noite,
    árida!
    que recomenda? rs escrever qual poeta nao sei!
    entao leio e leio.

    abraço

    ResponderExcluir
  6. Carinhosamente venho desejar
    um feliz final de semana.
    beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  7. Você tem muito talento pra escrever, parabéns! Estou seguindo esse blog aqui tbm. ^^'

    http://caixinha-de-tudo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Poeta..lindo como sempre!!!

    Uma semana iluminada a vc!!

    Bj

    Ma

    ResponderExcluir